Dilma admite desvio na Petrobras

Dilma admite desvio na Petrobras e diz que busca ressarcimento ao país

'Se houve desvio, queremos de volta. Se houve, não. Houve, viu?', disse.
Ex-diretor da Petrobras preso na Operação Lava-Jato fez delação premiada.


A presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição pelo PT, concede entrevista no Palácio da Alvorada, em Brasília (Foto: Ed Ferreira/Estadão Conteúdo)A presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição pelo PT, concede entrevista no Palácio da Alvorada, em Brasília (Foto: Ed Ferreira/Estadão Conteúdo)
A presidente Dilma Rousseff afirmou neste sábado (18) que houve desvio de recursos públicos da Petrobras. A candidata à reeleição pelo PT disse ainda que tomará "todas as medidas para ressarcir tudo e todos".
arte petrobras (Foto: Editoria de Arte/G1)
"Agora ninguém sabe hoje ainda o que deve ser ressarcido. A chamada delação premiada, onde tem todos os dados mais importantes, não foi entregue a nós. Eu até pedi, como vocês sabem. Pedi tanto para o Ministério Público quanto para o ministro do Supremo [Tribunal Federal], Teori Zavascki. Ambos disseram que ainda estava sob sigilo. Agora ressarcir, eu farei todo o meu possível para ressarcir o país. Se houve desvio de dinheiro publico, nós queremos ele de volta. Se houve [desvio], não. Houve, viu?", declarou Dilma Rousseff.
Questionada sobre a inclusão pelo ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa do nome do ex-presidente do PSDB Sérgio Guerra (morto neste ano) entre políticos que receberam dinheiro desviado da Petrobras, a presidente Dilma afirmou que não acha que ninguém no Brasil tenha "primazia da bandeira da ética".
"O retrospecto do PSDB não lhe dá essa condição. Quem cometeu crime, delito ou malfeito deve pagar por isso. Ninguém está acima de suspeita no Brasil. Quem não cumprir princípios éticos com dinheiro publico, devem pagar por isso. É interessante notar que osvazamentos seletivos acontecem para todos os lados. Isso não é bom. Não vou comemorar nada. O pau que bate em Chico também bate em Francisco. Essa é uma lei", afirmou a candidata do PT.
Durante debate na TV nesta semana, Dilma já havido feito uma pergunta a Aécio sobre a denúncia de que o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, em depoimento ao Ministério Público, havia afirmado que deu propina ao ex-presidente do PSDB para esvaziar uma Comissão Parlamentar de Inquérito destinada a investigar a Petrobras em 2009.
Na resposta, Aécio disse que, pela primeira vez, a presidente reconhecia denúncias de Paulo Roberto Costa, que fez acordo de delação premiada e, em troca de prisão domiciliar, passou a colaborar com a Justiça nas investigações sobre corrupção na Petrobras. "Se a senhora não tem receio, por que seu partido impediu que o senhor Vaccari fosse à CPI"?, disse Aécio, referindo-se ao tesoureiro do PT, que, segundo depoimentos de Costa, também se beneficiou de propinas de contratos.
Dilma Rousseff declarou que, daqui para frente, a não ser que seja informada pelo Ministério Público ou pelo juiz, não tem medida nenhuma a tomar. "Não sei se vocês sabem, mas não é o presidente quem processa. Quem processa são os órgãos, como o Ministério Público, e quem julga é o juiz", afirmou.
Comunicado da Petrobras
Na sexta (17), a Petrobras informou que criou comissões internas para verificar "averiguar indícios ou fatos contra a empresa" relacionados às denúncias relacionadas à operação Lava Jato, e que está estudando medidas jurícidas para ser ressarcida pelos danos sofridos.
As afirmações estão em um comunicado enviado pela empresa à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), em resposta a um pedido de esclarecimento feito pela autarquia por conta das notícias publicadas nos últimos dias sobre o assunto. É procedimento comum à CVM solicitar esclarecimentos sobre notícias que possam afetar as empresas que têm ações negociadas em bolsas de valores.
No comunicado, a empresa apontou que é reconhecida oficialmente pelas autoridades como vítima nesse processo de apuração, e vem prestando esclarecimentos para Polícia Federal, Ministério Público Federal e Poder Judiciário.

Paulo Roberto Costa
O ex-diretor Paulo Roberto Costa é um dos acusados na operação Lava Jato, que foi deflagrada no dia 17 de março deste ano em vários estados brasileiros e no Distrito Federal.
A operação investiga um esquema de lavagem de dinheiro e evasão de divisas que pode ter movimentado cerca de R$ 10 bilhões. Conforme a PF, a organização criminosa era liderada pelo doleiro Alberto Youssef.
Pesquisa
Pesquisa Datafolha divulgada na quarta (15) mostra que 80% dos eleitores brasileiros tomaram conhecimento das denúncias de corrupção na Petrobras. Ainda de acordo com o instituto, 66% acreditam que as denúncias envolvem pagamento de proprina a partidos políticos.
O Datafolha ouviu 9.081 eleitores em 366 municípios nos dias 14 e 15 de outubro. O nível de confiança é de 95%. Isso significa que, se forem realizados 100 levantamentos, em 95 deles os resultados estariam dentro da margem de erro de dois pontos prevista. A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR-01098/2014
Críticas a Aécio
Durante a entrevista coletiva deste sábado, a presidente Dilma também disse que o candidato tucano, Aécio Neves, foi desrespeitoso com ela e com a candidata do PSOL, Luciana Genro, ao chamá-las de "levianas".
"Quando começa a discussão, o candidato adversário não gosta muito. Aí parte para algumas atitudes um tanto quanto desrespeitosas. Foram desrespeitosas comigo, foram desrespeitosas com a Luciana Genro. Ele pode inclusive querer processar, mas quem devia processá-lo somos nós. A nós duas ele chamou de leviana, coisa que não se faz. Não é uma fala correta para mulheres. Eu lamento muito porque eu tenho o que discutir. Não tenho só propostas genéricas que coloca no papel. Porque o papel aceita tudo", declarou Dilma.
Sobre as recentes decisões do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Dilma disse que não houve intervenção do tribunal em sua campanha, apesar da proibição de ataques ao candidato adversário durante o horário eleitoral.
"Gostaria de saber onde e quando [houve intervenção do TSE na campanha do PT]?. Acho que isso ainda será julgado. Acredito que o que é baixo nível da campanha é algo que deve ser completamente superado. Acontece que nós temos proposta. Estou dizendo concretamente essa da indústria naval. Discuto indústria naval, discuto Pronatec, discuto o Minha Casa, Minha Vida. E um conjunto de politicas. O que acontece com o candidato adversário, quando é da área social, ou ele diz que é ele quem fez ou foi o governo do Fernando Henrique quem fez. E ele gosta de falar do governo Fernando Henrique. Não prova que foi o Fernando Henrique quem fez, porque a população sabe, a população recebia, ou não recebia", disse ela.
Política nacional
Dilma Rousseff também aproveitou para defender a política de conteúdo local, pelo qual um produto nacional é comprado pelo governo, ou empresas estatais, mesmo sendo mais caro que o mesmo produto importado, com o objetivo de estimular o emprego no país. Segundo ela, o candidato tucano Aécio Neves declarou que vai investir no polo naval do país, mas também afirmou que vai reduzir a política de conteúdo local.
"Conteúdo local é produzir aqui o que deve e pode ser produzido. Representou grande ganho. Passamos de 7 mil para 81 mil trabalhadores, caminhamos para 100 mil no ano que vem. Conversar que vai investir em um polo naval sem ser a favor da politica de conteúdo local mostra imensa inconsistência das falas que estão aí. É impossível isso. No plano de negócios da Petrobras, de 2014 a 2018, estão previstos 38 plataformas de produção, 88 navios petroleiros e de transportes e 146 barcos de apoio, um total de US$ 100 bilhões. Isso era desviado para Cingapura, Coreia e japão. Impedimos política de transferência de empregos para o resto do mundo. Criamos uma imensa indústria. Estaríamos perdendo uma fonte fundamental de riqueza", disse.

Fonte G1

Comentários