SEM UMA IGREJA A OVELHA MORRE




Por Walter McAlister
Há muitas mensagens atuais que ocupam os meios de comunicação. Uma das mais insistentes – e mais ignoradas, por sinal – é o apelo pela preservação do meio ambiente. “Salve as baleias”, “recicle”, “não ao desmatamento”… e por aí vai. O que os ambientalistas alegam é que, sem um ecossistema, a vida humana não só ficará mais pobre, mas, em algum prazo, se tornará insustentável. Por isso, a ferro e fogo, buscam salvar espécies em extinção. Buscam lembrar que não podemos viver de combustível não renovável (como petróleo, carvão e gás natural) para sempre. Ao pendurarmos o complexo industrial mundial em recursos que um dia acabarão, condenamos o mundo futuro a uma eventual retrocesso à idade da pedra ou, no mínimo, a uma vida rural e limitada.
Há fundamento nisto? Certamente. Os números são cruéis e não mentem. Em algum prazo, algo vai se transformar drasticamente. Algo vai ter que mudar. Não há como viver queimando a vela com as duas pontas acessas. Os dedos hão de queimar, mais cedo ou mais tarde.
“Ah, mas Cristo vai voltar antes disso”, alguns diriam. Na euforia apocalíptica achamos fuga e consolo. Mas podemos afirmar com toda certeza que Jesus voltará antes? Ou será que as coisas vão ficar mais sérias anteriormente à Sua segunda vinda? A dúvida continua. Mas não queremos pensar nisto. Agora não. Estamos muito bem. Afinal, tem o supermercado na esquina, ainda tenho um emprego e tudo vai mais ou menos. Está dando para levar. Empurramos com a barriga todas as considerações, pois daqui a pouco tem a Copa do Mundo.
A verdade é que a vida não existe sem que haja um meio ambiente que a sustente. Mentes não crescem e prosperam sem que haja uma cultura que as cultive. Sim, culturas cultivam. Eu não me criei a mim mesmo. Fui criado. Nasci, cresci, fui educado, fui ensinado sobre as coisas básicas da vida por pessoas, processos, conceitos, músicas, filmes, leituras, amigos, parentes, professores, inimigos e toda uma constelação de fatores: geografia (cresci no Rio de Janeiro, praia faz parte da cultura que me criou), o tempo (dias chuvosos frequentemente me deprimem), esporte (na Copa a vida não para, mas muda de ritmo, certamente), raça (convenhamos que o fato de ter nascido branco foi um fator na minha formação) e uma infinidade de outros elementos. Nasci nos anos 50. Ao crescer, minha música transitava entre os Beatles e Led Zeppelin, James Taylor e Elis Regina. Meus conceitos, minhas sensibilidades, meus gostos, meus passatempos… todos foram formados por esse meio ambiente, por essa cultura humana.
Vivemos numa época de ignorância cultural. Achamos que só pelo fato de escolhermos podemos mudar quem somos. Achamos que todos os nossos hábitos, convicções, crenças e opções são um resultado direto da nossa livre escolha, do nosso livre-arbítrio. Por isso, cremos que os nossos filhos precisam ficar o mais livres que puderem, para “achar o seu caminho”. Só que isso é menos uma questão de zelo e mais uma questão de preguiça dos pais. A verdade é que culturas cultivam. Uma vida não é o resultado apenas das suas escolhas. É fruto de uma cultura.
Cultura é a soma de artefatos (prédios, arte, livros, músicas, moda, tecnologia etc.) e ideias (que são artefatos, também, só que virtuais, como ditados, contos, mitos, heróis etc.). Esses artefatos e essas ideias são a maneira pela qual vidas são cultivadas. A cultura brasileira produz brasileiros. Óbvio, não? Compare um ser humano holandês com um ser humano brasileiro. Qual é a diferença? A cor do cabelo? A cor dos olhos? Nada disso. Veja como ele gasta seu dinheiro, como ele fala, o que valoriza, como decide com quem casar, como escolher uma carreira, seu ponto de vista político. Tudo isso é fruto de uma cultura que o cultivou. Sejamos mais radicais. Comparemos um chinês comunista com um brasileiro de direita. Dois seres humanos. Não podiam ser mais diferentes, embora seu DNA seja idêntico (ou quase). Os dois comem, respiram, sentem dor, sentem prazer… mas são irreconhecíveis se forem comparados um ao outro. Culturas radicalmente diferentes cultivaram dois ser humanos radicalmente diferentes.
Jesus disse que estamos no mundo mas não somos deste mundo. Não é segredo para ninguém que a maioria dos cristãos atuais em muito pouco difere de “mundanos” (pessoas que pensam as “coisas dos homens” – Mt 16.23). As práticas, os costumes e os valores são tão próximos que é difícil imaginar um povo realmente peregrino e separado “só porque” segue a Cristo. Isso ocorre porque não existe mais uma cultura cristã que cultive cristãos. Nosso cristianismo é um verniz fininho aplicado a uma mente mundana, de hábitos mundanos, de valores mundanos, mas que abrace modestamente, pifiamente até, a cultura bíblica. Para que fôssemos mais cristãos, teríamos de criar uma cultura cristã.
É aqui que entra a importância da Igreja. É na comunidade dos santos que crescemos na graça do Nosso Senhor Jesus Cristo. Aprendemos a andar juntos. Partimos o pão e compartilhamos o cálice da comunhão. Aprendemos a ser transparentes, corteses, pacientes, simples, modestos, fieis, honestos, amorosos, perseverantes, compassivos, com domínio próprio. Essas coisas não surgem em nós só porque lemos a Palavra. A comunidade da fé gera isso em nós. O “ecossistema” da fé é a igreja.
O cristão precisa “salvar os pastores” e não as baleias. O cristão precisa entender que se acabar a igreja acaba a cultura que cultiva a fé. Cristo foi dado para a Igreja “que é o seu corpo, a plenitude daquele que enche todas as coisas, em toda e qualquer circunstância” (Ef 1.23).
É claro que a Igreja não vai acabar. Cristo prometeu edificar a sua Igreja. Mas vivemos numa época em que alguns (muitos, aliás) estão abandonando a comunhão dos santos. Acham que não precisam mais dessa estrutura “anacrônica e ultrapassada, ineficiente e corrupta”. Ledo engano! Seus filhos precisam crescer num ambiente que vá cultivar as virtudes e os valores que vão fortalecê-los neste bravo novo mundo. Sua filha precisa aprender o amor de Deus para não cair, um dia, nos braços de algum malandro que, bonitão e falando macio, vá abandoná-la com um filho para criar. Seu filho precisa aprender fidelidade para não ser esse malandro ou não cair no papo dos que prometem riqueza fácil. Sem aprender a vivenciar os princípios de Provérbios e todo o conselho das Escrituras, ele será presa fácil dos aproveitadores deste mundo.
Um futuro para a sua família depende de uma cultura que a cultive. Não pense que por ser você um cristão eles também serão cristãos só por crescerem debaixo do seu teto. O mundo é maior do que a sua casa. A igreja é a cultura de que precisam para serem cultivados nos caminhos do Senhor. Sem a Igreja a ovelha morre.

fonte: Pulpito Cristao 

Comentários