Pode um cristão fazer tatuagens ?




A questão das tatuagens, juntamente com a questão do aborto e da homosexualidade, é uma das que gerou mais polémica no encontro que se realizou ontem, na igreja de Algés.
A questão das tatuagens é pertinente porque a sociedade em si não vê problemas nenhuns em colocar marcas em certas áreas do corpo como forma de fazer passar uma certa filosofia de vida.
Tendo em conta esta atitude complacente da sociedade actual, o que é que o cristão deve fazer? Será que devêmos ser “fundamentalistas” e negar toda e qualquer expressão artística que envolva a gravação de imagens ou palavras no corpo? Ou será que devêmos ser mais “liberais” neste ponto, como forma de mostrarmos que os cristãos são “pessoas normais”?
A meu vêr todas as decisões morais que o cristão pense em tomar devem começar na Palavra Daquele que sabe tudo (o Senhor Jesus Cristo), e não nas opiniões dos homens falíveis.O que é que Deus diz acerca disto?
Não fareis lacerações na vossa carne pelos mortos; nem no vosso corpo imprimireis qualquer marca. Eu sou o Senhor. (Levítico 19:28)
Muitas vezes Deus alerta-nos para comportamentos que em si não são maus mas que podem causar o desvio dos fracos na fé (ou causar confusão àqueles que não conhecem a Cristo). Por exemplo, o Apóstolo Paulo diz
Pelo que, se a comida fizer tropeçar a meu irmão, nunca mais comerei carne, para não servir de tropeço a meu irmão. (1 Cor 8:13)
Não há nada de mal em comer carne, mas se tal comportamento levar a que um irmão esmoreça na fé, o Apóstolo Paulo diz que não comerá a carne. O princípio aqui é o de que há actividades que em sinão são pecado mas que podem ser formas que o homem use para se afastar de Deus.
A práctica de marcar o corpo está Biblicamente e historicamente associada à prácticas pagãs e à adoração de deuses alheios. Deus proibiu o Seu Povo de seguir o erro dos pagãos como forma de separá-los das nações (Lev 19:28). Hoje em dia o motivo da marcação do corpo não é o de adoração de deuses alheios (embora em certos casos, haja algo de idólatra nessa práctica) mas sim o suposto “embelezamento” do mesmo. No entanto, a Palavra de Deus diz:
Abstende-vos de toda espécie [aparência] de mal. (1 Tessalonicenses 5:22)
Reparem que neste verso, Deus manda que não só nós nos separemos do mal, mas também de tudo o que aparenta o mal.
Por exemplo, imaginem um casal de namorados cristãos que acredita e practica a abstinência, mas que tem por hábito passar a noite na casa de um ou de outro.Embora eles possam não fazer nada de mal, para as pessoas que os vêem a agir deste modo vai ser difícil fazer-lhes vêr que, apesar do que aparenta, o casal cristão practica o superior comportamento da abstinência. O que aparenta vai ser a causa de confusão e não o que está de facto a ser feito.
O mesmo se passa com as tatuagens. O que aparentavai falar mais alto do que aquilo que o cristão verdadeiramente acredita.
Conclusão:A meu vêr, o comportamento bíblico no caso das tatuagens é o de rejeitá-las a todas por completo, mesmo que uma delas seja “Deus é Amor”. O descrente não vai olhar para isso como uma declaração de amor pelO Pai, mas sim como uma evidência de que “não há nada de mal em marcar o corpo com coisas de que se acredita“.
Nós sabemos que isso não é verdade, e como tal, para que o nosso comportamento não seja pedra de tropeço para almas pelas quais o Senhor Jesus Cristo morreu, o melhor é deixar o corpo vazio de tatuagens.
Uma tatuagem é uma declaração de algo em que se acredita, sendo que a maioria delas é feita com o expresso propósito de exibi-las. Se o cristão quer declarar ao mundo que ele ama o Criador, o melhor é colocar marcas no seu espírito e exibir essas “marcas” com o seu comportamento.
E não vos conformeis a este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus. (Romanos 12:2)

 fonte: http://darwinismo.wordpress.com

Comentários