Precisa-se de pastores




Ao percorrer inúmeros corredores do centro das grandes capitais, pode-se perceber a presença de incontáveis cartazes com os dizeres: PRECISA-SE de vendedores, balconistas, embaladores, cartazistas, etc. Realmente, nota-se a escassez de bons profissionais a disposição para o mercado de trabalho. Falta mão de obra qualificada!

No ano de 2011, a CNI (Confederação Nacional das Indústrias) divulgou uma pesquisa, informando que a falta de mão de obra qualificada afeta 69% das empresas brasileiras, e que este problema dificulta o aumento da produtividade e o melhoramento da qualidade do produto .

No setor da construção civil, por exemplo, uma pesquisa da FGV (Fundação Getúlio Vargas), também de 2011, mostrou que somente 17,8% dos trabalhadores ocupados na construção civil frequentaram curso de educação profissional .

Infelizmente, o mesmo quadro pode ser observado no campo ministerial, com uma observação: a falta aqui, não é de mão de obra qualificada, mas, vocacionada. A argumentação de Cristo registrada no Evangelho escrito por Lucas continua atualíssima: “Grande é, em verdade, a seara, mas os obreiros são poucos ”.

Lamentavelmente, ao desenvolver um ministério itinerante, tenho presenciado a escassez de pastores verdadeiramente e espiritualmente vocacionados. Por inúmeras vezes, fiquei boquiaberto diante de homens que se intitulam pastores. Confesso que estou cansado de esbarrar em homens que deveriam “dar a mão a palmatória” e procurarem outra coisa para fazerem.

Não tenho medo de verberar, e por conhecimento de causa, afirmo que alguns abraçaram o ministério somente depois, de se frustrarem profissionalmente. São pretensiosos “profissionais” fracassados, que veem no ministerial pastoral, uma excelente oportunidade de ganharem dinheiro e refazerem sua vida.

Em 2010, ministrei a Palavra, em uma denominação que me deixou de “queixo caído”, pois, após presenciar várias aberrações, ainda tive o desprazer de ouvir do “pastor” presidente, a história fatídica do inicio da mesma. Segundo ele, após, uma tentativa frustrada de conduzir um açougue, ele resolveu apostar numa loja de roupas, e novamente sua aposta resultou num insucesso, por isso, o dito cujo, resolveu vender os balcões e prateleiras e montar uma igreja no mesmo local.

Diante de tanta carência, preciso exclamar: - PRECISA-SE DE PASTORES!

Precisa-se de pastores! Homens que possuem a imagem de Cristo refletida em suas vidas; e não apenas de líderes com imagens de executivos bem sucedidos, administradores de sucesso ou empresários destacados.

Precisa-se de pastores! Homens com “tempo e compaixão para ouvir o clamor de almas cansadas, aflitas, confusas em busca de orientação, maturidade, transformação”; como assegurou o reverendo Ricardo Barbosa de Souza .

Precisa-se de pastores! Homens que possam encontrar soluções para nossas crises, principalmente na Palavra de Deus e nos escritos da história da Igreja, e não de líderes que fiquem apoiados em citações de psicoterapeutas modernos e livros de autoajuda.

Precisa-se de pastores! Homens que se prontifiquem a ajudar as ovelhas com oração, orientação espiritual e ministração da Palavra, e não de homens que apenas fazem usos de conselhos de psicólogos místicos e esotéricos.

Precisa-se de pastores! Homens que lutam por uma integridade vocacional, que resistem aos modelos e tentações do “mercado gospel” atual, e que possuem características essenciais da verdadeira vocação pastoral.

Precisa-se de pastores! Homens cuja vocação é orientada pela Palavra de Deus. Sacerdotes que usam a Bíblia como lâmpada para os pés e luz para o caminho .

Precisa-se de pastores! Homens que não transformem a vocação em carreira profissional; que pelejem por uma fé sincera, relevante e verdadeira.

Precisa-se de pastores! Homens que não façam uso da “máscara” da hipocrisia, mas, que expressem uma humanidade verdadeira e uma espiritualidade sincera.

Precisa-se de pastores! Homens cujo intuito maior é o Reino de Deus, o processo histórico da redenção e a glória do nome de Cristo, e não os seus projetos de vida particulares.

Precisa-se de pastores! Homens que verdadeiramente sejam rendidos a Deus e não subjugados por sistemas inescrupulosos.

Precisa-se de pastores! Homens como Abel, que possam oferecer o melhor para Deus, um sacrifício aceitável; e não homens amantes de si mesmos, que buscam o melhor para si.

Precisa-se de pastores! Homens como Enoque, que estejam dispostos a andarem literalmente com Deus. E que andar fala de conhecer, ter intimidade e relacionamento e não apenas ostentar um anel de bacharel ou um título em divindade.

Precisa-se de pastores! Homens como José, que possuem uma visão administrativa de um todo, que saibam poupar com temor na época das vacas gordas, para administrarem com segurança e a favor do Reino, no período das vacas magras.

Precisa-se de pastores! Homens como Moises, que saibam supervalorizar o essencial e não negociar aquilo que é inegociável, pois, ao contrário do que diz o dito popular, nem tudo têm o seu preço!

Precisa-se de pastores! Homens como Samuel, que após envelhecerem e dedicarem toda uma vida ao ministério possa chegar tranquilamente diante de todos e com paz de consciência perguntar: “A quem defraudei? A quem tenho oprimido e de cuja mão tenho tomado presente e com ele encobri os meus olhos?” .

Precisa-se de pastores! Homens como o profeta Micaías, que são conhecidos por pregarem a verdade; e ao contrário dos “animadores de auditório” transmitem não o que o povo e a liderança querem ouvir, mas, aquilo que Deus quer transmitir .

Precisa-se de pastores! Homens como Daniel, que sejam firmes e constantes, e que proponham sempre em seus corações não se contaminar com as coisas deste mundo.

Precisa-se de pastores! Homens como João Batista, que saibam que além de profetas, são críticos sociais, portanto, mesmo que seja necessário perder a cabeça, nunca se pode abrir mão dos absolutos de Deus.

Precisa-se de pastores! Homens como Paulo, com consciência cristã, que sabem que não podem ser pesados para os irmãos. Homens que aprendam a estar contentes com o que têm.

Precisa-se de pastores! Homens com vidas irrepreensíveis, maridos fiéis que abominam a prostituição e fogem apressadamente do adultério.

Precisa-se de pastores! Homens vigilantes, sóbrios, honestos, hospitaleiros, aptos para ensinar; não espancadores; não cobiçosos de torpe ganância.

Precisa-se de pastores! Homens moderados, não contenciosos, não avarentos; que governem bem a sua própria casa, e possuem os filhos em sujeição, com toda a modéstia.

Precisa-se de pastores! Homens que tenha bom testemunho dos que estão de fora, para que não caia em afronta e no laço do diabo.

Precisa-se de pastores! Homens como Tito, cuja missão é colocar em ordem o que está em desordem, e tapar a boca daqueles que transtornam casas inteiras, ensinando o que não convém, por torpe ganância .

Precisa-se de pastores! Homens que estejam mais dispostos a visitarem as ovelhas, do que fazerem excursões “religiosas”. Homens que se preocupem mais com as viúvas, do que em trocarem de carro todo ano.

Precisa-se de pastores! Homens como Jesus, que estejam dispostos a darem a vida pelo rebanho em vez de explorarem o mesmo.

Precisa-se de pastores!


Comentários